LiveZilla Live Help

Como acontecem as clonagens de cartão e como evitá-las

On novembro 5, 2012, Posted by , In Notícias, With No Comments

Com o advento da tecnologia, suas facilidades e economia de tempo, ter um cartão de crédito, que muito facilita nossas vidas, também abre outro precedente desagradável: a clonagem dos cartões.

Os fraudadores possuem diversas táticas para fazer com que o dono do cartão caia em um golpe. Para se ter ideia de como eles atuam, os bandidos colocam um aparelho chamado “chupa-cabra” que copia as trilhas magnéticas do cartão em um caixa eletrônico de uma agência bancária, ou ainda instalam uma câmera e filmam o cliente digitando a senha no leitor de cartões.

Estes aparelhos que roubam a identificação magnética dos cartões nada mais são do que leitoras comuns alteradas para que passem a gravar estes códigos e reproduzi-los em cartões quaisquer. No entanto, este método é um tanto grosseiro para os padrões tecnológicos que temos hoje. Infelizmente, a genialidade existe para o bem e para o mal.

Com a chegada dos sites bancários e das funções home-banking, o bandido só precisa encontrar um arquivo espião para fazer com que a senha e o número de cartão de crédito sejam roubados do computador do cliente. Para isso acontecer, basta um email fraudulento, cujo layout é idêntico aos das instituições bancárias. Ao abri-lo ou preencher algum campo solicitado é o suficiente para que um malware (arquivo malicioso) seja instalado no seu computador e que retransmitirá seus dados para essas quadrilhas.

O processo de clonagem é mais simples do que muita gente pode imaginar. Porém, exige um arsenal de equipamentos que chegam a custar mais de 10 mil dólares. Nestes casos, o falsário não trabalha com materiais quaisquer e sim com réplicas quase idênticas aos cartões originais das operadoras mais variadas. Para fazer essa falsificação as quadrilhas utilizam impressoras de cartões, máquinas para criação de hologramas, impressão das letras em alto relevo e uma série de outros equipamentos.

As compras pela internet têm aumentado sensivelmente os números de fraudes envolvendo cartões de crédito em todo o Brasil. Os mesmos arquivos maliciosos escondidos em emails falsos roubam informações como número do cartão, data de validade e o código de segurança de três dígitos. Com esses dados, qualquer pessoa pode fazer compras no nome de quem quer que seja o dono daqueles dados. Por isso, se você costuma abrir todos os emails que chegam à sua caixa de entrada, comece a ser um pouco mais seletivo e desconfie de remetentes desconhecidos.

Golpes populares e como não ser enganado

Abaixo relatamos alguns dos golpes mais usados e como evitá-los:

• Alguém liga para a sua casa se identificando como um funcionário da operadora do seu cartão de crédito e informa que foi feita uma compra de um objeto bastante incomum no seu nome com um valor bastante alto.
Ao responder que não fez a compra, você dará brecha para que o bandido diga que o seu cartão talvez tenha sido clonado e que é preciso fazer uma verificação. Ele pedirá que você informe o seu endereço, número do cartão e o número do PIN. Com esses dados o fraudador poderá fazer compras no seu nome a qualquer hora do dia. Ao final da ligação o suposto atendente pede que você telefone para a central de segurança da operadora do cartão informando o ocorrido, pois, certamente, já existirá uma compra no seu cartão e dessa vez ela é verdadeira e aconteceu por você ter cedido os números de segurança do seu cartão de crédito. Por isso, nunca diga a ninguém informações referentes à sua conta bancária ou cartões de débito ou crédito. Além de ser perigoso, você, sem saber, acaba colaborando com o seu prejuízo.

• Outro golpe bastante difundido é o “chupa-cabras”, ao qual nos referimos no início. Como não podemos saber se aquela máquina de pagamentos está ou não adulterada, procure nunca permitir que o atendente leve o cartão para longe da sua vista. Toda precaução é pouca quando, o que está em jogo, é manter o seu nome limpo na praça. Por isso, sempre que for realizar pagamentos com o seu cartão, fique atento para qualquer movimentação estranha. Caso o seu cartão fique preso na máquina da loja ou no caixa eletrônico, procure anular ou cancelar a compra e comunique imediatamente o seu banco. Se utilizar o telefone da cabine do caixa, verifique se o telefone funciona. Em caso negativo, o golpe é quase certo e não aceite ajuda de nenhum estranho.

É importante que você se certifique que ninguém está observando enquanto estiver digitando a sua senha. É um direito seu exigir que as outras pessoas aguardem a vez respeitando as faixas marcadas no chão do banco. Dessa maneira você evita dores de cabeça envolvendo a segurança dos cartões e da conta bancária.

Cartões com chip: aumento na segurança?

Os cartões com chip aumentaram de certa forma, a segurança dos usuários. Essa tecnologia unificou dois cartões em um só e evita que o cliente ande com um cartão para débito e outro para crédito como acontecia com os cartões magnéticos. Os chips possuem mais memória e fazem com que um único cartão possua as duas opções de pagamento: débito e crédito.

Um dos motivos pelos quais os cartões de chip são tão mais seguros que aqueles com tarja magnética está no fato de que essa nova tecnologia trabalha com autenticação offline, ou seja, não exige que o terminal (caixa eletrônico) esteja conectado com qualquer tipo de sistema além do que já está instalado. Esse tipo de cartão também é mais seguro no que se refere às transações feitas pela internet e dispensa a assinatura do portador, uma vez que o PIN do cartão é capaz de substituir essa necessidade.

A segurança dos chips também está no fato de que todos os dados contidos neste sistema estão criptografados. Entretanto, de nada adianta avançar cada vez mais a tecnologia para garantir a segurança dos usuários se o próprio cliente não toma os devidos cuidados com os seus cartões e documentos. Até mesmo os cartões de ônibus e metrô já passam por situação semelhante. Porém, a técnica para isso é diferente, afinal o sistema de funcionamento desses cartões é baseado em um sistema de Identificação por Frequência de Rádio – a mesma utilizada em etiquetas inteligentes em lojas.

Mas, como comentamos acima, a mesma genialidade que trabalha para a segurança, também trabalha para a criminalidade. Mesmo os cartões com chip sendo mais seguros que os que possuem tarja magnética devemos estar atentos na hora de realizar transações bancárias.

 

 

Conheça nossa linha completa de soluções em identificação

Cartões em PVC, Crachás, Controle de acesso para eventos, Carteirinhas estudantis e muito mais